\ respiro /

sexta-feira, 22 de abril de 2016

Patti Smith: bela, recatada e do lar

Patti Smith por Robert Mapplethorpe, companheiro de vida

A internet se encheu de respostas ao "bela, recatada e do lar" da Veja - mulheres encarnando a felicidade e a liberdade de ser quem/como/onde/quando/se quiser.

E aqui invoco Patti Smith - poeta, música, xamã, descendente de Rimbaud. Começou a carreira na cena punk de Nova York com um dos álbuns mais incríveis deste mundo: Horses, de 1975. Na capa, Patti aparece com ditas "roupas de homem" e toda a força de seu corpo. Mais tarde engravidou, recatou,

renasceu.



a mídia não é deus



Nenhum comentário:

Postar um comentário